.as minhas pegadas...

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.mais sobre mim...

. Nome...Puppydog
. Idade...17
. Paixões...Cães (especialmente o meu Fox), livros, desenhar, ouvir música, conhecer gente nova
. Livros...Harry Potter (mais uma fanática...), Código Da Vinci, Anjos e Demónios, A conspiração, Fortaleza Digital, Eragon, Eldest, A anatomia do segredo, O Enigma Vivaldi, Assassini, Verónica decide morrer
. Música...Simple Plan ;), Linkin Park ;), James Blunt, Daniel Powter, Green day, Yellowcard, flipside, evanescense, Nickelback
. Defeitos...Tímida, preguiçosa :PpPp,um pouco desorganizada
. Qualidades...Amante de todas as formas de vida (excepto aranhas), criativa, curiosa, inventiva, amiga, sincera
. Sonho...vir a ser veterinária

.pegadas recentes...

. desapareceste...

. Fox...

. ...

. gatos no acampamento

. Vamos ajudá-los

. Muschi e Sherlock

. Estou triste...

. Parabéns!!

. Finalmente...

. Nunca mais...

.outras pegadas...

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.links...

Quinta-feira, 11 de Agosto de 2005

Um cão barulhento



Ontem acordei às 9 horas da manhã com um barulho. Era um misto de ganido e uivo vindo de um cão ali perto. Não liguei, era apenas um cão a uivar.
Adormeci.....e voltei a acordar 2 horas depois com o mesmo ganido. Nesse momento ouvi o mau pai a chegar a casa vindo da sua bica matinal, chamei-o e perguntei lhe que cão era aquele que estava a fazer tanto alvoroço...



Ali pertinho de casa (a cerca de 20 metros) há um portão metido entre o salão da aldeia e um armazém. O portão dá para uma terra de cultivo e para lá desta há uma infinidade de outras terras delimitadas por cercas relativamente fáceis de transpor.



Segundo o meu pai o cão estava nessa terra e, em vez de passar a cerca e dar a volta ao salão ou ao armazém, queria sair à força toda por aquele grande portão.


O meu pai ainda o tinha “enxotado”, isto é incitado a ir para a cerca mas o cãozito não queria, se calhar não conhecia nada por estes lados e tinha medo...



Levantei-me com a intenção de ir ajudar o pobrezinho.



Quando lá cheguei o cachorro tinha enfiado a cabecita na frecha entre a base do portão e o chão.


Fui à volta e enfiei-me entre os arames da cerca para passar para o outro lado, para mim isto não era difícil, mas para o cão era a coisa mais fácil do mundo!!!



Entretanto o meu pai apareceu para ajudar. Cheguei ao pé do cão e dei-me conta que ele estava preso, não conseguia tirar a cabeça debaixo do portão.


Eu do lado de dentro e o meu pai do lado de fora lá conseguimos libertar o cãozito.



Ele era um rafeirito lindo (aliás, todos os cães são lindos), todo preto, pêlo “esgadelhado”, pequeno, um bocado “cão salsicha” (as patas um pouco curtas em relação ao comprimento) e com o pêlo cheio de coisitas de ervas.



Dei-lhe a minha mão a cheirar e fiz-lhe uma festa. Ele devia ter dono, pois estava gordo e era mansinho.


Peguei nele e trouxe-o para casa. Escovei-o para tirar as coisas que lhe enchiam a cara, enquanto o fazia ele olhava para mim com uns olhos meigos e fofos.



Os meus 4 gatos decidiram ficar a uma distância segura a observar atentamente aquele estranho (só têm confiança com o meu cão, cresceram juntos...), não fosse ele ficar uma fera, atirar-se a eles e mata-los (coitadito, aquela coisa fofa...).



Dei-lhe água mas ele não quis. Foi então que pôs as patas no muro do terraço e olhou para a estrada... Peguei nele e levei-o para lá, estava na hora de ir para casa...



Ao princípio estava um pouco confuso, olhava e farejava em todas as direcções. Depois começou a caminhar cada vez mais rápido e confiante. Até que começou acorrer.



Fiquei a olhar até o perder de vista.



Voltei para casa e o meu cão, Fox (ou “Quinho” como gosto de o chamar), olhou para mim e para o meu pai como que a pedir festas, meio ciumento por causa do intruso que estivera no seu território a atrair a atenção dos donos. Quando ficou farto de festas estatelou-se, como é costume, no mosaico a dormir.



Espero do fundo do meu coração que o cachorro tenha chegado a casa e encontrado carinho, atenção e afecto por parte da família...





P.S.: Estou deitada de barriga para baixo no sofá da sala e tenho um dos meus gatos, o Puck (um “gatito” enorme, gordo e amarelo. Tipo garfield à excepção do branco na barriga, patas dianteiras e um pouco no focinho), a dormir em cima de mim... coitadinho...vou ter de o acordar...






Puppydog, 11 Agosto 2005, 00:59 (Sernelha/Coimbra)
publicado por blackdrop às 15:05
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres