.as minhas pegadas...

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.mais sobre mim...

. Nome...Puppydog
. Idade...17
. Paixões...Cães (especialmente o meu Fox), livros, desenhar, ouvir música, conhecer gente nova
. Livros...Harry Potter (mais uma fanática...), Código Da Vinci, Anjos e Demónios, A conspiração, Fortaleza Digital, Eragon, Eldest, A anatomia do segredo, O Enigma Vivaldi, Assassini, Verónica decide morrer
. Música...Simple Plan ;), Linkin Park ;), James Blunt, Daniel Powter, Green day, Yellowcard, flipside, evanescense, Nickelback
. Defeitos...Tímida, preguiçosa :PpPp,um pouco desorganizada
. Qualidades...Amante de todas as formas de vida (excepto aranhas), criativa, curiosa, inventiva, amiga, sincera
. Sonho...vir a ser veterinária

.pegadas recentes...

. desapareceste...

. Fox...

. ...

. gatos no acampamento

. Vamos ajudá-los

. Muschi e Sherlock

. Estou triste...

. Parabéns!!

. Finalmente...

. Nunca mais...

.outras pegadas...

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.links...

Sábado, 27 de Agosto de 2005

Veterinário




Quinta-feira foi um dia para esquecer...

Acordei um pouco tarde, cerca das 12:10, mal abri a porta da rua entraram os meus 4 gatos e puseram-se, como sempre a miar à minha volta. Dei-lhes comida.



A minha gata (Lucky), que andava prenha, com uma barriga quase do tamanho de uma bola de vóley, comeu pouco e pôs-se novamente a miar à minha volta. Como ela é meia esquisita com a comida pensei que quisesse carne em vez dos cereais. Foi então que ela entrou para o meu quarto, quando lá entrei ouvi-a miar mas não a via, ela voltou a miar e dei com ela debaixo dos meus lençóis a lamber-se. Percebi que ela estava para ter os gatinhos.



Fui buscar o caixote com panos no fundo onde ela costuma parir, mal o poisei ela saltou para lá.



Deviam ser 12:30 quando começou em trabalho de parto.



Ela miava e ronronava para chamar atenção, eu sentei-me no chão ao lado dela...



Essas 1:00 comecei a ver uma patinha (apenas a parte dos dedos) a sair, era tão pequenina...



Uns minutos depois voltei a olhar, a pata tinha inchado muito, tinha cerca de 2 de diâmetro e mais de meio cm de espessura, comecei a ficar preocupada.



Apesar das repetidas contracções nas próximas 2 horas e meia apenas se viam os dedos de duas patas.



Fui chamar a minha madrinha e a minha prima (a minha manita, Kita). Ainda tentámos puxar o gato (que já sabíamos estar morto), mas não deu em nada.



A Lucky estava cada vez mais aflita (assim como todas nós), saiu do cesto, e andava atrás de mim a miar, depois deitou-se no terraço, com a respiração muito acelerada e com a língua de fora (como os cães fazem) e continuava a miar como que a pedir ajuda...



Chegámos à conclusão que a única salvação da gata seria ir ao veterinário, mas isso era caro e eu não sou propriamente rica. A minha manita disse-me que uma colega levou uma vez a gata ao veterinário com o mesmo problema, teve que fazer cesariana e gastou 40 contos, e isto à uns poucos de anos atrás...



Comecei a chorar, eu adoro aquela gata, só a tenho à 3 anos (nem é tão pouco quanto isso, já que o destino de quase todos os gatos e cães vizinhos é morrer atropelado na recta em frente a minha casa...) mas gosto muito dela, da personalidade dela, da cor estranha do pêlo (uma mistura não uniforme de preto, branco e vários tons de amarelo), enfim ela é uma amiga e eu estava a vê-la morrer.



A minha manita abraçou-se a mim e disse que íamos com ela ao veterinário, se os meus pais não quisessem pagar, ela própria pagaria... é por estes actos que eu adoro tanto a minha prima. É incrível como somos tão parecidas, tal como eu ela estava disposta a gastar 40 contos para salvar a vida de um animal (que nem sequer era dela). Uma nova luz acendeu-se dentro de mim...



Em todo caso tínhamos que falar o meu pai, mas àquela hora já tinha saído do emprego e não tem telemóvel, ou seja estava incontactável. Tínhamos que esperar até ele chegar, mas ainda faltavam 2 horas e a gata estava cada vez pior...



Decidimos então ir indo para Coimbra (onde havia veterinários mais próximos, a 30 minutos de carro) e encontrar o meu pai na paragem de autocarro.



Haviam 2 paragens possíveis para o meu pai estar, a minha manita e o namorado (que também tinha ido) foram à procura dele enquanto eu fiquei no carro, no estacionamento subterrâneo com a gata.



O tempo parecia não passar, eles nunca mais chegavam. Pensei que nem que eles chegassem naquele momento não conseguiríamos salvar a gata, ela arfava com a língua de fora, as segundas pálpebras estavam quase fechadas, as contracções continuavam, por vezes parecia que ela tinha dificuldade em respirar...



Depois de cerca de 15 minutos eles chegaram, o meu pai aceitou prontamente ir ao veterinário (apesar de ele dizer que a gata é uma chatinha, que anda sempre a miar, ele adora-a).



Depois de sairmos do estacionamento a Lucky ficou melhorzita talvez por causa do ar mais fresco...



Na clínica, 2 veterinárias tentaram, por largos minuto puxar o gatinho, a minha gata miava de aflição, desesperada com as dores que tinha (ainda chegou a arranhar uma das veterinárias, ups!!). Mas não resultou, só conseguiram puxar até meio do tronco dele...



Deram-lhe uma injecção e disseram-nos que teriam que fazer cesariana, para nós irmos para casa, quando ela estivesse bem telefonavam-nos.



O tratamento da gata ficava entre 150 e 175 euros (pensei que fosse bem mais), pagamos uma caução de 150 euros e fomos embora.



Estávamos a abrir a porta de casa (18 horas) quando o telefone tocou, de alguma forma a gata conseguiu tirar o gato morto (talvez por causa da injecção) e já tinha parido 1 vivo, talvez não fosse preciso ser operada!!!



Às 21 horas o meu pai telefonou para saber como estavam as coisas: a gata não tinha parido mais nenhum gato, iriam esperar mais 1 hora, se ela nada acontecesse fariam cesariana.



Uma hora mais tarde voltámos a ligar e tivemos boas notícias, a gata tinha mais 2 gatinhos, só faltava 1. Disseram-nos que como a gata estava cansada, por isso ligavam-nos de manhã para ir lá busca-la.



Fomos lá de tarde, trouxemos a Lucky e mais 4 lindos gatinhos.



Parece que o gato que deu problemas já estava meio podre, e para a gata não sofrer nenhuma infecção receitaram-lhe uns comprimidos.



Já no veterinário notamos que um dos gatinhos estava mais quieto e não queria mamar, pensamos que estivesse ensonado, mas em casa não mamou e estava cada vez mais fraco, percebemos que não ia sobreviver até ao dia seguinte, e assim foi, hoje de manhã estava morto...



Mas apesar disso, tudo acabou bem... Excepto que falta arranjar dono para os recém-nascidos, não posso ficar com mais nenhum, já tenho 4 e um cão... Por isso se puderem ajudem, os gatos não são de raça, mas são lindos... São 2 gatos (um amarelo e branco (tipo garfield) e o outro meio amarelo a fugir para o bege (uma cor linda e original)) e uma gata (que é a minha preferida) cinzenta com o focinho branco e todos os dedos das patas brancos...



Espalhem a palavra...




Puppydog, 27 Agosto 2005, 18:30 (Sernelha/Coimbra)


publicado por blackdrop às 21:44
link do post | favorito
De Anónimo a 1 de Setembro de 2005 às 17:57
Que grande aventura! Bem, eu tentarei espalhar a palavra. Já actualizei o meu blog. Espero pela tua visita. BeijosOcean_Shadow
(http://pictureofmyocean.blogspot.com/)
(mailto:pictureofmyocean@hotmail.com)
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres